Oda Nobunaga – Volume 01 – Capítulo 09 – Mudança de Castelo e um Herdeiro

 


 

— Vou mudar meu castelo de Nayvil para a cidade portuária de Maust. — Declarei.

Alguns dos meus vassalos ficaram perplexos, embora eu já esperasse por isso. Seus rostos os traíram. Deixar um lugar ao qual você se acostumou era difícil. Era uma coisa natural que todo mundo podia sentir. No entanto, eu tinha outra coisa a priorizar sobre esses sentimentos.

— O Castelo de Nayvil sempre foi uma base de operações desde quando eu era o lorde de um condado e meio. Este lugar é muito pequeno para nosso tamanho, nem mesmo fica na estrada principal. Então, estamos nos mudando para Maust, no condado de Kinaseh. Lá, construiremos um castelo com o dobro do tamanho do atual.

Como eu já tinha contado a alguns de meus vassalos mais velhos sobre a mudança, eles não mostraram nenhum sinal de surpresa. Seraphina não estava presente, mas quando conversei com ela no quarto, ela ficou encantada, dizendo: — Você fez a escolha certa!

— Poderia… possivelmente ser uma ideia melhor mover sua capital depois de unificar toda a prefeitura? Com a prefeitura estabilizada, deve ser mais fácil reunir os materiais… — um vassalo mais velho disse, que na verdade serviu em quatro administrações desde a época do meu avô. Fiquei feliz por sua lealdade, mas infelizmente não achei que ele tivesse muito a oferecer. Não era culpa dele. Sua forma de serviço estava desatualizada.

— Teremos que sair daqui eventualmente de qualquer maneira. Além disso, mudar para Maust logo nos ajudará a financiar nossas campanhas também. Afinal, é uma cidade portuária, descer o rio pode até levar você ao mar.

— Nesse caso, Nayvil tem muitas colheitas e está florescendo, não é? Mesmo eu não consigo me lembrar de uma época em que dinheiro era um problema.

Oda Nobunaga foi o primeiro a rir, embora todas as suas risadas fossem quase irritantes.

— Este velho nem entende as coisas mais óbvias. Tem uma grande diferença entre o dinheiro que você ganha por ter um centro comercial e o que você ganha com a agricultura. Como uma cidade já famosa pelo comércio, este lugar em Maust obviamente lhe renderia mais dinheiro se você a desenvolvesse como sua capital.

Exatamente. Daqui a cem ou duzentos anos, não haveria nenhum lorde vivendo como eles vivem agora. Pouco a pouco, lordes menores estariam sendo absorvidos por poderes maiores. Mesmo Mineria, nos últimos vinte anos ou mais, havia essencialmente consolidado o poder eliminando vassalos desobedientes. Eles lentamente possibilitaram que se expandissem para fora.

Claro, pessoas como esse velho vassalo, que ainda pensava da maneira antiga, logo partiriam. Além disso, eu queria mudar minha capital para Maust porque estava pensando além da unificação da prefeitura. Descendo o rio, você pode chegar à prefeitura de Nagurry ao norte. Era a direção perfeita para atacar, já que mantivemos a paz com Mineria e havia várias cidades portuárias em Nagurry.

Em uma guerra em grande escala, a maioria dos soldados eram civis comuns, mas como meus guardas demonstraram da última vez, os soldados profissionais eram muito mais fortes militarmente. E seria preciso dinheiro para expandir minhas unidades de guarda, mantendo sua qualidade. No futuro, precisaria de um sistema para arrecadar mais dinheiro se quisesse continuar a me tornar uma grande potência. Uma cidade portuária onde o comércio pudesse ser realizado seria mais conveniente. Mover o castelo também pode me ajudar a filtrar meus vassalos um pouco.

— Você está certo, mudar-se seria um fardo para um velho como você. Então você pode ficar em Nayvil.

— Não foi isso… o que eu quis dizer…

Provavelmente era melhor não permitir que os pessimistas aparecessem. Se eles tivessem uma ideia ainda melhor para propor do que a minha, seria ótimo, mas a maioria só queria dizer não.

— Nayvil é o local de nascimento do meu clã. Não se preocupe, esta terra sempre será um lugar importante para os Nayvils. Precisa de alguém para cuidar dele. Por favor, eu quero que você fique e sirva minha família e meus ancestrais que foram colocados aqui para descansar.

— Na verdade, em comparação com Maust, acho que este lugar é mais…

*Wham!*

Eu bati no chão com minha lança. A sala ficou em silêncio.

— Você já considerou que poderia ter um lugar melhor do que Nayvil nesta prefeitura?

— N-não, nunca…

— Bem, então você já saiu por aí e visitou os castelos dos lordes que controlam uma prefeitura? — Olhei para o velho vassalo. No começo eu só queria dar um show, mas quando olhei para ele, comecei a ficar com raiva de verdade.

— Nunca…

— Em outras palavras, você estava apenas dizendo não sem um motivo plausível. Isso não é um conselho ou qualquer outra coisa. Talvez pense melhor antes de abrir a boca até ter algo a dizer.

— Me perdoe… — Ele se curvou diante de mim.

Laviala acenou com a cabeça como se dissesse, bom. Eu disse a ela sobre meus planos em detalhes. Ela era uma grande ouvinte.

— Não importa onde você esteja, sempre há dissidentes quando você tenta algo novo.

Então Oda Nobunaga teve que lidar com isso também, hein?

Embora obviamente um homem que se autodenomina um conquistador não fosse ser conservador.

 — A tradição definitivamente tem seu lugar. Eu mesmo tirei proveito disso quando pude. Sempre fui muito cuidadoso com minha reputação. Mas a tradição também é uma ferramenta, não algo a ser seguido impensadamente.

— Bom ponto. Suas ideias são sempre muito úteis.

O maior privilégio da profissão de Oda Nobunaga pode ser os conselhos que recebi. Se Oda Nobunaga era famoso como um conquistador em outro mundo, eu estava ouvindo as opiniões diretas desse conquistador. Sem dúvida, era mais valioso do que qualquer conselho que eu pudesse ouvir dos sábios deste mundo.

— Todos vocês, apreensão de vocês é normal. Afinal, nenhum de vocês serviram a um lorde com tantas terras. A maneira de pensar de vocês mudará com o tempo. O que estou tentando fazer não é nada estranho. Meus objetivos são realistas.

Colocá-los em seus lugares não adiantaria se me tornasse muito intimidante, então sorri para eles. — Não se preocupem tanto. Não poderíamos nos mudar em apenas um ou dois dias. Mas comecem a se familiarizar com a paisagem de Maust, pelo menos. Também gostaria de compartilhar mais uma coisa que estou considerando.

Eu bati no chão com minha lança novamente. Não com tanta força quanto antes, eu não estava tentando assustar ninguém. — Esta lança que recebi da catedral é realmente longa. É mais de três jargs. — Um jarg era quase igual à altura de um homem alto, a maioria das pessoas era menor que um jarg. Em outras palavras, esta lança ostentava um comprimento maior do que três homens grandes.

— É certamente imponente, mas era uma oferenda aos deuses. É muito comprido para uma arma. — Um dos meus vassalos disse.

— Você pensa assim, não é? — Eu ri. — E é por isso que vou colocá-lo em produção. Vou montar uma unidade que possa usar isso. Eles serão chamados de Tri-Jargs.

Alguns vassalos riram, parecendo pensar que era uma piada. Não havia unidades militares nem táticas que usassem uma lança de três jarg, sempre foi feito para ser usado pelos deuses. Nada tão longo foi feito para humanos.

— Você tem um grande senso de humor, meu senhor. Já podemos chamá-lo de lorde do século?

— Perdoe-me se não fui claro, mas não foi uma piada. Claro, não quero dizer que alguém possa usar isso facilmente. Orcus, tente dar um golpe. — Orcus Bright, capitão dos Ursos Vermelhos, deu um passo à frente quando chamado. Poucos homens eram tão soldados quanto ele, com suas pernas e braços que pareciam troncos.

— Eu posso dar um golpe com qualquer coisa, até mesmo com uma arma deste comprimento! — Orcus balançou a lança para cima e para baixo, de novo e de novo. Seu corpo tremia um pouco, mas parecia que ele conseguiria. Ele gritava “Hwah!” toda vez que balançava a lança. O grande comprimento tornava tudo muito mais impressionante. Foi divertido de uma forma diferente das demonstrações de artes marciais.

— É definitivamente difícil manter a postura quando tem o dobro do comprimento das outras lanças. Não consigo girar em círculo… Ah, que vergonha…

— Se você já pode fazer tanto, acho que pode fazer funcionar com um pouco de prática.

— Certamente. Também darei aos Ursos Vermelhos um treinamento completo, não poderíamos chamá-los de Tri-Jargs se eu pudesse usá-lo, afinal. Além disso, um corpo de lança não é bom com apenas alguns membros. — Ele realmente era um soldado. Isso tornava as coisas mais fáceis.

Balançar as lanças para baixo ao mesmo tempo em uma formação compacta é o que torna o corpo de lanças uma ameaça. O inimigo pode, portanto, ser derrubado pelas lanças antes mesmo que elas possam chegar perto.

— Se uma unidade pudesse fazer uma formação compacta usando lanças deste comprimento. Eu disse — Eles seriam aterrorizantes tanto ofensivamente quanto defensivamente, você não acha? Nem mesmo a cavalaria poderia quebrá-los. Esmagar os crânios dos cavalos seria uma coisa fácil. E, claro, estaríamos em vantagem contra outras lanças.

— De fato! Eles tremeriam só de olhar para nós. Eu devo dominar esta monstruosidade chamada lança, não importa o quê.

Tive uma ideia quando recebi a lança do sacerdote chefe: e se um humano pudesse usar essa arma destinada aos deuses? Claro, havia um limite para o corpo humano. Uma lança de cinquenta jargs nem podia ser erguida, muito menos forjada por um ferreiro. Uma lança de três jargs, pode ser empunhada assim que você se acostumar com ela. E deve dar uma grande demonstração de poder.

As lanças foram feitas para serem usadas em formação compacta, não era para alguém usar por conta própria. Assim, poderíamos ensiná-los a usar até mesmo essa lança de três jargs em um nível básico de competência.

Um vassalo levantou a mão então, parecendo inseguro. — Meu povo não é muito forte, então não tenho confiança de que eles possam dominar tal lança…

— Eu sei disso.

— Mas você não vai fazer todos usarem essas lanças de três jargs?

— Primeiro vou tentar fazer com que soldados profissionais as usem, meus guardas. Não tenho intenção de fazer todos os camponeses recrutas usá-los, então relaxe.

Esta lança era pesada, então apenas homens fortes o suficiente para suportar um treinamento duro seriam capazes de coordenar uns com os outros. Um grupo de lanceiros que saiu de sincronia implorava ao inimigo para investir.

— Se até mesmo os camponeses pudessem usá-la, outro lorde em outro lugar teria feito a mesma coisa anos atrás. Portanto, as pessoas que vivem da guerra devem ser as primeiras a usá-la.

— Alsrod, você realmente pensa como eu! Que divertido, muito divertido. É exatamente como as táticas de lança que usei, e as lanças tinham seis metros de comprimento.

Bem, isso não é uma coincidência? Mas todos sabem que armas mais longas são vantajosas em batalha. Algumas coisas na guerra são universais.

— Exatamente. É por isso que é tão divertido para mim ver você pensando nas respostas certas!

Se ele estava me dizendo que eu tinha a resposta certa, os Tri-Jargs deveriam valer a pena.

— No meio do treinamento de Tri-Jargs, fiz 20 anos. Foi bom passar meu aniversário como conde. Naquele dia, deixei o trabalho de lado e Altia, Laviala e Seraphina fizeram uma festa para mim.

Meu trabalho não envolveria armas por um tempo. Escrevi cartas muito educadas às potências independentes que ainda restavam no norte de Fordoneria. Para resumir, foram assim: “Tenho andado ocupado derrubando idiotas e blasfemadores, mas acabei com eles. Vamos manter a paz.” Obviamente, foram apenas palavras. Qualquer lorde que aceitasse banalidades diplomáticas devem ser sacerdotes ou algo do tipo.

Ainda assim, seria arriscado provocar externamente os poderes restantes. Mesmo se cada um fosse fraco por conta própria, eles seriam um problema se pedissem ajuda ao clã Rentrant da província de Nagurry ao norte. Os Rentrants eram uma linhagem de condes que controlou Nagurry por gerações. Eles não pareciam ser tão fortes na guerra, mas Nagurry tinha várias cidades portuárias com uma grande população. Eles poderiam reunir mais tropas do que nós. Pode ser exagerado, mas havia uma história deles levantando mais de cinco mil soldados para uma única batalha no passado. Cinco mil em um só lugar seriam sem precedentes. Eles devem ter reunido tropas de cidades portuárias que tinham seus próprios mercenários.

No momento, o máximo de tropas que eu poderia reunir de uma vez seria um pouco menos de três mil. Claro, não havia necessidade de uma guerra completa, então nunca levantei tantos. Algumas centenas de homens eram suficientes para derrotar meus inimigos. Mesmo que conseguisse unificar minha prefeitura, o número que poderia levantar pode chegar ou não a quatro mil. Na prática, eu teria que distribuí-los em diferentes forças-tarefas.

Claro, eu tinha outra coisa a fazer antes de calcular o número de tropas.

Fui até Maust e verifiquei os planos para o castelo. Afinal, seria a maior que nossa prefeitura já viu. Eu não poderia garantir que seria finalizado corretamente.

— Primeiro você precisa fazer os lados sul e leste do castelo ficarem de frente para o rio sinuoso. Se acontecer alguma coisa, desenhe o rio ao redor do castelo para que pareça que está flutuando.

As pessoas que eu trouxe para o projeto pareciam não acreditar. — Um castelo que parece estar flutuando? Certamente seria defensável, mas de acordo com esses planos, parece que não será conectado à cidade-castelo… — Ornis disse, basicamente o encarregado da construção deste projeto, um pouco confuso. Ele originalmente era um comerciante de sal em Maust. Eu era agora muito mais poderoso do que quando era um pequeno visconde, então os vassalos que serviram ao meu clã por gerações muitas vezes não conseguiam acompanhar. Eu havia nomeado mercadores e ex-vassalos de outros clãs para uma variedade de coisas.

— Não, vai funcionar. — eu disse. — Vamos construir uma hidrovia para a cidade preexistente de Maust ao mesmo tempo. Isso fornecerá uma rota direta para o castelo. Claro, não funcionaria apenas para navios passarem, então também construiremos uma ponte para ligar as cidades-castelos entre si.

— Será um grande projeto…

— Quanto tempo vai demorar?

— Provavelmente precisará de três anos…

— Termine em um ano. — Ornis estava sem palavras. Bem, aparentemente as pessoas não conseguiam evitar um grande projeto que nunca haviam feito antes. — Bem. Vou ajudar, então.

— V-você vai ajudar?

— O castelo será basicamente a minha casa. O que tem de errado em ir para o local de trabalho e sua própria casa? — Estimular psicologicamente a construção fazia parte, mas também tinha em mente o auxílio da minha profissão: a habilidade especial de Orientação do Conquistador. Se o foco e a confiança dos trabalhadores fossem 1,5 vez maiores, seria possível fazer as coisas tomarem forma rapidamente.

— Eu farei então… No entanto, o custo para este castelo será enorme…

— Meu diretor financeiro, Fanneria, diz que é possível. De agora em diante, mais e mais pessoas virão para Maust também. Qual é a população de Maust?

— Cerca de mil e duzentas pessoas.

— Assim que se tornar a capital da província, pretendo ter uma população de seis mil pessoas.

— Cinco vezes o tamanho atual?! — Ele ficava extremamente surpreso com cada pequena coisa.

— Eu sei que parece impossível. Mas é assim que precisamos fazer. Maust pode vir a ser o centro do mundo algum dia. — Não tinha certeza se ele acreditou na minha palavra, mas eu estava falando sério.

A construção do Castelo Maust prosseguiu sem problemas para um projeto de engenharia tão grande. Claro, não se tratava apenas de construir o castelo. A cidade também seria reformada junto.

Quanto à economia, suspendi a guilda comercial e permiti que qualquer um abrisse uma loja no mercado. Mudei principalmente o sistema para o que eu usava em minhas três aldeias e Nayvil, onde os impostos eram retirados apenas daqueles com lucro.

Se tivesse uma guilda, as pessoas teriam que se associar (e pagar taxas de inspeção e inscrição, é claro) para ter uma loja.

Além disso, como os preços eram controlados internamente, coisas que normalmente custariam menos ficariam mais caras. Isso era bom para proteger os comerciantes, e o lorde também poderia tirar dinheiro da guilda. Claro, o próprio clã Nayvil costumava proteger a guilda comercial na capital do condado Nayvil. Não era uma maneira ruim de fazer as coisas quando eles queriam manter a cidade como estava.

 — Aparentemente, as pessoas pensaram que eu transformei tudo em um mercado livre de rakuichi-rakuza, mas protegi as za- as guildas, quando precisei. Não aboli completamente o za ou algo parecido.

Até meu próprio trabalho dizia isso. No entanto, Za era uma palavra que soava estranha. Era curto demais para pronunciar.

De qualquer forma, as guildas eram úteis apenas enquanto a cidade não se tornasse muito grande. Já havia declarado que faria de Maust a capital da província, então a população aumentou. Isso significaria que mais pessoas gostariam de fazer negócios, então era preciso mais lojas e mercados. Não precisava de uma guilda para impedir o progresso em uma cidade como aquela.

Teve resistência da guilda, mas controlei a situação.

— Sou mais ou menos um invasor em Maust. Não vou seguir os passos do lorde anterior. — Expliquei. — Além disso, quem fez negócios aqui originalmente pode transformar sua experiência em lucro. Perceba que vocês estão economizando dinheiro por não ter que pagar a guilda. No entanto, vocês terão que me pagar impostos com seus lucros.

A guilda nem mesmo teve o poder de resistir. Eles recuaram em desânimo.

Além disso, tentar cobrar impostos dos pobres não levaria a lugar nenhum, havia muito que eles poderiam dar. Nesse caso, era melhor deixá-los ganhar dinheiro e tirar mais disso. O próprio Oda Nobunaga disse que ganhou muito dinheiro controlando uma cidade portuária chamada Tsushima, bem como outra cidade chamada Atsuta. Era definitivamente melhor ter uma base econômica para apoiar os empreendimentos militares.

Em comparação com as cidades que tive antes, a quantidade de impostos que recebi foi literalmente uma ordem de magnitude maior em Maust. Com minha carteira cheia, contratei mais trabalhadores. Onde precisávamos de mais ajuda, cobrava dos camponeses até certo ponto, mas pagava salários mais altos. Quanto mais trabalhadores havia, mais gente vinha para lhes vender coisas. Era um bom ciclo.

Eventualmente, recebi mais uma habilidade.

Habilidade especial Visão do Conquistador adquirida.

Seu senso econômico relacionado a cidades e comércio será semelhante ao de Oda Nobunaga. Esta habilidade está constantemente ativa, impedindo a intoxicação ou qualquer prejuízo ao seu estado mental.

Quê? Isso é realmente uma habilidade?

— Vou explicar melhor.

Oda Nobunaga falou comigo novamente.

— Como você disse, isso não é bem uma habilidade, mas uma demonstração de minha admiração. Estou reconhecendo sua previsão como sendo igual à minha. Então concedi a você isso na forma de uma habilidade especial.

Você está dizendo que está criando essas habilidades especiais?

— Isso mesmo. Afinal, esse trabalho é tão incomum que aparentemente você é o único no mundo inteiro que tem. Portanto, tudo sobre este trabalho é tentativa e erro da minha parte.

Que tipo de habilidade especial é essa? Foi tudo o que pude pensar, mas deve ter sido sua maneira de me reconhecer.

Levaria muito tempo até que o castelo estivesse completo, mas não esperei por isso antes de me mudar oficialmente para Maust. Por enquanto, montei minha base em uma colina nos arredores de Maust. Tinha uma sensação bem diferente do castelo à beira-mar para o qual me mudaria mais tarde, mas também não era tão ruim. De lá, tive uma boa visão da cidade à medida que se desenvolvia.

— Aí está você, querido. Eu estava pensando onde você estava. — Seraphina veio e ficou ao meu lado. Uma brisa agradável soprava também.

— Olhar de longe não termina o trabalho mais rápido, mas é realmente divertido.

— Eu sei o que você quer dizer. Mesmo assim, você começou a construção em um bom momento. Se você tivesse feito isso depois de unificar a prefeitura, acho que teria dificultado, provocando outros lordes do seu tamanho.

— Sim. E a única razão pela qual posso contratar pessoas do resto da prefeitura, é porque não estou em uma grande guerra. — Corri minha mão pelo cabelo de Seraphina enquanto ele esvoaçava com o vento. Achei que ela tinha ficado muito mais bonita do que quando a conheci em Mineria.

— Você está mais charmoso, querido. De todos os ângulos, você é um grande lorde de quem posso me orgulhar.

— Que coincidência. Estava pensando que você está mais adorável.

— As mulheres ficam mais bonitas quando tem um cavalheiro que amam. — Agora que estávamos sozinhos, naturalmente começamos a elogiar um ao outro. — Na verdade, querido, eu estava procurando por você porque tenho algo importante para lhe contar.

— Alguma coisa importante? — Comecei a me preparar. — Não é nada ruim, né?

— Exatamente o oposto. É uma coisa muito boa.

O que poderia ser?

— Seu pai teve uma grande vitória ou algo assim? — Com isso, Seraphina fingiu estufar as bochechas.

— É sobre nós dois. — Isso tornou mais fácil descobrir.

De jeito nenhum…

— V-você está grávida?

Seraphina acenou com a cabeça timidamente.

— Você conseguiu, Seraphina! — A abracei. Eu estava um pouco preocupado por não ter um herdeiro. Mas essa preocupação agora se foi. — É um menino ou uma menina?

— Você sabe que não tem como ter certeza ainda. Mas de qualquer forma, vou criá-los para que possam ter confiança como monarca. Porque eu acredito que você será rei, meu querido.

— Verdade. Não ficarei satisfeito com apenas uma prefeitura. — Acabaria com esta era devastada pela guerra com minhas próprias mãos. No meio da minha adolescência, sempre me preocupei quando morreria na guerra. Para que ninguém tivesse que pensar nessas coisas lamentáveis, alguém tinha que reunificar o reino. Para isso, provavelmente teria que passar por muitas guerras grandes…, mas passaria. Havia sessenta prefeituras no reino. Meu projeto de unificação não estava nem um sexagésimo concluído ainda. — Bem, você precisa relaxar um pouco. Tenha muito, muito cuidado com sua saúde. — Não era incomum que mulheres morressem de complicações durante o parto. O parto era a batalha da mulher contra a morte.

— Não se preocupe. Minha profissão é Santa. Tenho certeza que o bebê será protegido pelos deuses.

— Estou preocupado com a criança, mas sua saúde também me preocupa. — Eu precisava que ela oferecesse todas as orações em um templo mais tarde. Mas apenas se preocupar agora não adiantaria. Agora era um momento de alegria. — Vou deixar meus vassalos principais saberem imediatamente que você absolutamente não deve ser incomodada… Oh, certo, falando dos meus vassalos principais…

O rosto de Laviala veio à mente primeiro. Ela definitivamente ficaria feliz com a gravidez, mas contar a ela era quase como esfregar na cara dela… Como meio-elfa, era bem difícil ela engravidar de mim. Ouvi que era mais difícil para alguém com sangue élfico ter filhos, embora eu não soubesse se era verdade mesmo. Talvez fosse porque os elfos eram jovens por mais tempo que os humanos, então o mesmo número de crianças causaria problemas. Mesmo assim, não podia falar nada, então chamei Laviala.

Chamei Laviala ao escritório do conde. Ouvindo um knock-knock, sabia que era ela. Eu poderia dizer imediatamente quem era pelo som da batida. Nós realmente nos conhecíamos bem. Desde que eu perdi meus pais há muito tempo, ela era a pessoa que passou a maior parte da minha vida comigo.

— Entre, Laviala.

— O que poderia ser? Os canais de irrigação estão funcionando bem. É ótimo ter trabalhadores anões que são bons em cavar, com a cidade próxima ao rio.

— Oh, isso não é sobre trabalho… Ah, certo, fique aí, por favor… — Achei que seria desrespeitoso com Laviala dizer isso sentado, então me levantei da minha mesa de trabalho também. Eu fiquei bem na frente dela. — Isso me lembra: quando fiquei mais alto do que você?

— Do que você está falando? Hmm, acho que eu era maior até ter seus 12 anos. — Ela realmente deve saber mais sobre mim do que eu. Como era função da ama de leite fornecer leite, uma mulher tinha que estar amamentando para ser uma. Assim, Laviala nasceu antes de mim, então às vezes sua perspectiva sobre mim era mais a de uma irmã mais velha do que de um vassalo. Na verdade, para mim também, eu a via como uma irmã há mais tempo do que como um vassalo. — Naquela época você não era tão bom com o arco também. Mesmo na prática da espada, eu geralmente batia em você, não era?

— Ei, você não precisa tocar nesse assunto…

— Você não se molhou de surpresa uma vez quando eu golpeei você com uma espada de madeira? Me da vontade de rir só de lembrar.

— Para. Você vai ferir minha dignidade como conde, levando isso tão longe. — Nossos olhos se encontraram e rimos, mais como irmão e irmã do que como lorde e vassalo. Laviala sempre foi adequada, ela ainda não falava grosseiramente.

— Mas depois disso, você melhorou muito rapidamente. Seu corpo ficou grande também, e dois anos depois disso, eu não conseguia mais vencer você com uma espada.

— Mas então você se especializou no arco e agora você é um monstro com ele. — Só de falar com Laviala já me sentia sentimental. Sem ela, eu certamente não teria sido capaz de chegar tão longe.

— Você fez muito bem em apoiar Altia quando ela estava doente sem seus pais e sofreu muito. Mesmo seu sucesso agora não floresceu do nada, é graças aos dias que você passou na terra.

Ela falava como uma verdadeira elfa, colocando-se assim. Eu estava em dívida com a família dela, os Aweyus, também. Na verdade, você poderia dizer que eles foram os que cuidaram de Altia e de mim. Os elfos Aweyus eram a família da mãe de Laviala. Seu pai, um humano, morreu de doença por volta dos cinquenta. E Laviala foi sua última criança.

— Então, Lorde Alsrod, para que você precisava de mim? — Ela inclinou a cabeça e olhou para mim com olhos de cachorrinho.

Ah, certo. Eu tinha um propósito importante aqui. Não queria apenas relembrar o passado.

— Anunciarei isso mais cedo ou mais tarde, mas queria dizer a você primeiro.

— Entendo. Obrigada, Lorde Alsrod.

— Não me agradeça antes de ouvir… — Eu tinha certeza de que ela me parabenizaria. Ela provavelmente não mostraria tristeza. Mas certamente ela estava preocupada em algum lugar em seu coração que era difícil para meio-elfos engravidar? Como marido dela, isso me incomodou. Pelo menos, em minha mente, eu era seu marido.

— Pode ser difícil falar, mas, por favor, fale, Lorde Alsrod.

Certo. É hora de contar a ela.

— Laviala, Seraphina está grávida. Nós vamos ter um bebê.

— S-sério?! — Ela abriu os olhos grandes ainda mais. Aparentemente, foi um grande choque.

— Eu não mentiria sobre algo assim. Acabei de descobrir. Não tenho certeza do gênero, mas será um herdeiro em potencial, por enquanto.

— Entendo. É muito, muito bom ouvir isso. Estou aliviada também.

— Eu não sabia que você estava tão preocupada também. — Em retrospecto, não parecia que eu precisava estar tão ansioso para contar a ela. Me senti imensamente aliviado.

— Agora eu posso te dizer algo que eu também não podia antes…

— Hã?! O que você quer dizer com isso…? — Essa foi a primeira vez que ouvi isso. Bem, se ela não podia dizer antes, é claro que eu não sabia, mas ainda assim. Eu não conseguia acreditar que havia algo que ela estava escondendo de mim. Tinha certeza de ter uma compreensão perfeita de seus hábitos e personalidade.

Certamente não poderia ser… que ela tinha outro homem, poderia…? A aparência de Laviala não deixou nada a desejar. Sua mãe, minha babá, era famosa entre os elfos por sua beleza. Eu tinha certeza de que todos os meus vassalos sabiam sobre nosso relacionamento, mas era difícil dizer que ninguém cedeu à tentação e fez alguma coisa.

— Bem, aqui vai… — O rosto de Laviala ficou vermelho, não era como se ela tivesse feito algo errado, mas como se ela estivesse radiante. — Na verdade, parece que fui abençoada com o seu filho também, já tem alguns dias…

Por um segundo, não tive certeza do que estava ouvindo.

— Hh-huh? Meu filho? Você está brincando?

— Eu não brincaria com algo assim. — Laviala sorriu, dizendo essencialmente o que eu havia dito antes.

— Obrigado, Laviala! — Antes que eu percebesse, eu a estava abraçando. Primeiro Seraphina, agora Laviala! Não poderia ter um dia mais feliz do que este.

— Outro dia eu estava me sentindo mal e quando contei para minha mãe, ela disse que era sinal de gravidez… — Eu podia sentir o alívio em sua voz. — Eu queria dizer a você imediatamente, mas fiquei quieta pelo bem de sua esposa, Senhora Seraphina… Eu sabia que ela esperava ter um filho com você…

— Oh, caramba, estávamos todos quietos. — Aparentemente, era isso que acontecia quando você tinha várias esposas. Mas não precisamos mais nos preocupar com isso. — Laviala, esta é a minha ordem para você como seu lorde. Faça o que fizer, tenha um filho saudável. E mantenha-se saudável. Entendeu?

— Sim senhor! Considere isso feito!

Neste momento, nesta terra, ninguém poderia ter sido mais feliz do que eu. — A propósito, você vai ser a ama de leite do filho de Seraphina também? Você pode dizer não se não quiser. — Era apenas uma vaga esperança de que Laviala pudesse cuidar do filho de Seraphina também. Se ela os criasse juntos, eu tinha certeza que Laviala não teria favoritos, e não havia nenhuma preocupação em combinar personalidades com um bebê. Claro, percebi que tudo era fácil para um homem.

— Sim senhor! Não vou te decepcionar.

— E se você estiver cansada do trabalho, descanse. Você e esta criança são mais importantes, do que qualquer coisa.

— Eu vou ficar bem por um tempo ainda. Posso administrar até que o Castelo Maust esteja pronto, pelo menos.

Abracei Laviala com força mais uma vez.

Alguns dias depois, anunciei aos meus vassalos que Seraphina e minha concubina, Laviala, estavam grávidas. Claro, eu disse a Altia sobre isso antes, na verdade, ela já sabia, parece que Laviala já havia contado, aparentemente.

— Estou tão feliz que você vai ter um bebê. — O alívio de Altia foi quase exagerado. — Se algo tivesse acontecido com você, eu teria que tomar o seu lugar.

— Espere, você realmente quer? — Sua saúde pode ter melhorado recentemente, mas certamente ela não poderia lidar com isso.

— Bem, você não sabe até tentar. — Altia brandiu uma espada invisível. Aparentemente, ela não estava brincando. A ideia de deixar a família Nayvil com ela com certeza me deixou inquieto, então eu faria o que pudesse por agora.

A notícia da gravidez se espalhou e, por um tempo, recebemos o que parecia ser um fluxo interminável de simpatizantes, tantos que eu mesmo tive de lidar com eles. Caso contrário, seria muito cansativo para Laviala e Seraphina. Com meu território maior, havia mais pessoas vindo me ver do que antes. Maust, principalmente, com todas as suas modificações, se destacava pela quantidade de comerciantes que buscavam obter autorização para isso ou aquilo.

Acho que ser pai dá mais trabalho do que pode parecer…

 

 


 

📃 Outras Informações 📃

Apoie a scan para que ela continue lançando conteúdo, comente, divulgue, acesse e leia as obras diretamente em nosso site.

 Quer dar uma forcinha para o site? Que tal acessar nosso Padrim :ZeroTwo8:

Padrim

Acessem nosso Discord, receberemos vocês de braços abertos.:kenislove:

 

 

You cannot copy content of this page
%d blogueiros gostam disto: