Oda Nobunaga – Volume 01 – Capítulo 06 – O Maior Território da História do Clã

 


 

Depois de me tornar o lorde do domínio, estive ocupado por um tempo com vários deveres.

Primeiro, devido à mudança de governante, tive de enviar cartas de proteção territorial aos meus vassalos e a várias instituições no domínio, como templos. Já que as promessas de proteção eram todas em nome do lorde anterior, meu irmão, tive que reeditá-las todas em meu nome. Na verdade, só tive que verificar o conteúdo, então não foi preciso pensar muito.

Mas o encontro com outras pessoas inevitavelmente leva tempo e energia. Todo tipo de gente veio prestar homenagem ao novo lorde, então tive que recebê-los. Eu não poderia fazer com que todos correspondessem aos seus horários com o meu, e enviar um enviado sem pensar, isso seria uma grosseria.

Além disso, Laviala estava sempre ao meu lado como conselheira, então ela estava tão exausta quanto eu. — Ah, meu pescoço está tão rígido… Lorde Alsrod… — Ela estava constantemente segurando o pescoço. Quando estávamos sozinhos, ela era um pouco mais ela mesma.

A propósito, não fiz de Laviala minha esposa oficial. Por causa do meu status, era crucial que eu tivesse um casamento político, então seria uma má ideia realizar abertamente uma cerimônia com ela. Além disso, infelizmente, como Laviala era meio-elfa, se eu anunciasse como minha esposa, algumas pessoas diriam que não era apropriado para alguém com minha posição.

Ainda assim, ninguém criticaria um governante por ter várias amantes. Em vez disso, como eu já tinha dezoito anos, não podia me dar ao luxo de ficar sem filhos por muito tempo. Queria ter um filho com Laviala o mais rápido possível.

— Que outra escolha temos? Um trabalho chato como este é trabalho de um lorde também.

— Pensei que talvez viveríamos um pouco mais luxuosamente agora que você é um visconde, mas acho que me enganei… Ah, nunca pensei que meu pescoço ficaria tão rígido antes dos meus vinte anos…

— Deixa que eu faço uma massagem, então. Somos apenas nós dois aqui, então não preciso agir como um visconde.

Você já me massageou, Lorde Alsrod?! — Ela corou e acenou com a mão. Em certo sentido, ela era minha esposa, mas nunca foi além de seu lugar como minha subordinada.

— Por que agir toda tímida se estou oferecendo? Vamos, deixa eu tentar. — Com um pouco de força, coloquei minhas mãos em seus ombros. Ela estava mais rígida do que eu imaginava. — Quão tensa você tem estado, me ajudando com meu trabalho?

— Nunca podemos ter certeza se alguns canalhas não estão espreitando para matá-lo… Ah, aí mesmo, aaah! — Os ombros de Laviala relaxaram e ela pareceu relaxar significativamente.

Decidi acariciar um pouco e soprar naquelas orelhas distintas de meio-elfa, não tão pontudas quanto as dos elfos, mas definitivamente ainda pontudas.

— Ffff.

— Ah, por favor pare… N-não nas minhas orelhas, não aí…

Laviala caiu no chão quando suas pernas cederam. Isso foi mais eficaz do que eu imaginava.

— Desculpe. Eu não pensei que isso fosse acontecer…

— N-não faça esse tipo de coisa… E-espere até que seja noite… — Ela disse, corando, o que começou a me deixar envergonhado também.

— Tudo bem… de noite…

Ter esse tipo de relacionamento com Laviala me lembrou como o tempo passou rápido. Até alguns anos atrás, tínhamos estudado e praticado a luta com espadas e arcos juntos.

Nesse momento, um dos meus vassalos parou para dizer que alguém tinha chegado para se encontrar comigo. — O sacerdote do Primeiro Templo veio prestar sua homenagem!

O nome Primeiro Templo referia-se ao templo designado pelo lorde local como o mais importante em seu domínio. Como havia muitos templos em um condado, tínhamos um sistema de classificação para seus regulamentos. Mesmo agora, muitos deles (como o maior de uma prefeitura) tinham poderes como o da nobreza. No entanto, no nível de condado, todos eles precisavam da proteção de seu lorde. A propósito, foi neste templo que recebi minha profissão.

— Tudo certo. Deixe-o entrar.

O sacerdote que veio prestar suas homenagens foi o mesmo que me concedeu a profissão de Oda Nobunaga. Ele exibia uma espessa barba branca.

— É bom vê-lo novamente, meu senhor. Sou o sacerdote Elnarta. Nunca imaginei que você se tornaria um visconde.

— Bem, meu irmão adoeceu, como você já sabe. Nada mais do que uma reviravolta do destino.

A história oficial era que meu irmão morreu de doença e eu não planejava sair do meu caminho para ser conhecido por fratricídio. As chances eram de que ele também preferisse isso do que as gerações futuras soubessem que ele foi morto tentando assassinar seu irmão, mesmo que só desejasse isso na vida após a morte.

— A profissão de Oda Nobunaga está servindo bem para você? Como oráculo, eu tinha minhas preocupações.

— Não tem necessidade de se preocupar. Na verdade, devo agradecê-lo. — Eu basicamente tinha que agradecer minha profissão por me tornar governante.

— Sou eu quem tem que agradecer, Lorde Alsrod. Se eu pudesse ter apenas um momento de seu tempo, gostaria de fazer uma avaliação fonética das palavras Oda Nobunaga.

A avaliação fonética era um tipo de adivinhação realizada usando os sons que um nome fazia.

— Ha, que piada. Se a adivinhação realmente funcionasse, ninguém jamais perderia uma batalha. Todos os senhores da guerra da minha época tinham suas próprias superstições quando entraram na briga.

Minha voz interior estava reclamando. Mas ele tinha razão. Geralmente, na guerra, os senhores de todos os lugares pensavam na sorte ao decidir que dia ou hora ir para a batalha. Se eles pudessem vencer fazendo isso, ninguém perderia. Certamente ninguém jamais daria a seu filho um nome obviamente desfavorável também, seguindo essa lógica, ninguém jamais ficaria infeliz. Mas, na realidade, inúmeras pessoas caíram na guerra ou morreram jovens por doenças. No entanto, eu estava genuinamente curioso sobre o tipo de resultado que obteria sobre esse Oda Nobunaga.

— Tudo bem, veja o que você pode fazer. Não vai levar horas ou algo assim.

— Sim, meu senhor.

O sacerdote Elnarta estendeu um pano no chão e jogou areia em cima dele na forma de um quadrado mágico. Ele então escreveu o nome Oda Nobunaga no centro.

— Eu me pergunto qual será o resultado. — Laviala disse, também assistindo com grande curiosidade. Ela sempre esteve mais interessada em mim do que em si mesma.

— Oh meu… — Elnarta murmurou. — Incrível…

— O que foi? — Perguntei. — A resposta foi tão incomum?

— O som que Oda Nobunaga faz significa essencialmente o Rei Demônio

— Rei Demônio? Aquele que deveria liderar monstros para dominar o mundo, aquele Rei Demônio? — Neste mundo, assim como havia raças minoritárias como elfos e anões, também havia seres malignos como goblins e orcs. Mas um Rei Demônio que comandava monstros não era nada mais do que uma lenda.

— Sim… Em termos de nome de profissão como Lutador ou Mago, Rei Demônio seria o nome mais adequado, eu acho… Peço desculpas por qualquer ofensa, Lorde Alsrod…

— Rei Demônio, hein? Um sacerdote que vale seu sal, entendo. Na verdade, uma vez eu me chamei de Rei Demônio apenas por diversão!

Minha voz interior riu. Sem pensar, eu ri também.

— Perdoe-me, meu senhor, mas por que você está rindo…? — O sacerdote perguntou.

— Oh, não, são boas notícias.

Laviala parecia entender como eu me sentia. — Um Rei Demônio ainda é um rei. Você está almejando o trono, não apenas Nayvil. Esta é a profissão perfeita para você!

— Exatamente. Claro, como rei, farei o meu melhor para evitar ser visto como um demônio.

Afinal, Oda Nobunaga era realmente uma profissão especial. Laviala foi certeira: Um Rei Demônio ainda era um rei. Era inédito receber uma profissão que incluísse a palavra rei. Em um mundo com uma dinastia mais poderosa, eu poderia ter sido punido por irreverência.

— Hmm… Não importa o quanto eles tenham declinado nos últimos anos, a família real ainda existe… Por favor, tente não dizer nada muito ousado. — Elnarta me advertiu, talvez ele fosse apenas manso. Claro, se ele tentasse ser agradável garantindo que eu poderia ser o rei, eu teria perdido a confiança nele. Ele provavelmente não entendia muito bem que tipo de profissão era Oda Nobunaga.

— Não se preocupe. Se eu tiver a chance de apoiar a família real, é exatamente o que farei. Mas ainda sou apenas um governante em nível de condado, então estou muito longe disso. — Alegar que você estava protegendo uma dinastia decadente, apenas para continuar tomando o poder, era um velho truque para usurpar um reino.

Mas então tive uma ideia.

— Diga, Laviala, você ainda não recebeu sua profissão, né?

— Eu continuo adiando, sim… não consigo encontrar tempo livre para fazer isso.

Era verdade que Laviala, como minha assistente, tinha dificuldade em reservar tempo, devido às mudanças repentinas em minha posição.

— Temos um sacerdote bem aqui. Se estiver tudo bem, pode usar a capela do castelo, você deve ter sua cerimônia de outorga de profissão lá.

— Se a capela estiver em ordem, o tamanho não faz diferença. — Elnarta concordou. Claro que iria concordar, afinal, a maioria dos camponeses obtinha suas profissões na capela de uma pequena aldeia.

— Tudo certo. Espero que seja algo bom…

Assim, fomos para a capela. Eu me perguntei se ela também conseguiria alguma profissão bizarra como Oda Nobunaga. Certamente duas vezes seguidas era demais… E seria especialmente estranho se o nome dela fosse um de seus inimigos.

A cerimônia decorreu igual a minha. Eu chamo de cerimônia, mas Laviala simplesmente se ajoelhou enquanto o sacerdote retransmitia as palavras dos deuses.

— Sua profissão é… Arqueira.

— Ah, isso é mais normal do que pensei que seria. — Laviala disse com franqueza.

— Na verdade, Arqueiro é uma profissão bastante rara… — Elnarta respondeu.

— É muito mais normal do que Oda Nobunaga. — ela respondeu.

Quer dizer, provavelmente sou o único no mundo com esse.

Como Laviala fazia bom uso de suas habilidades com o arco, era uma profissão respeitável para ela.

— Dizem que Arqueiro aumenta seu poder de ataque com arco em 30% em batalha e, além disso, aumenta muito sua precisão. Essencialmente, será impossível você errar o alvo.

— Entendi. Adoraria experimentar em um alvo imediatamente.

Querendo atacar enquanto o ferro estava quente, Laviala decidiu atirar em um campo de tiro com arco que montamos no pátio. Talvez fosse minha imaginação, mas eu vi o que parecia ser uma aura dourada de seu corpo enquanto ela preparava seu arco.

— Isso é incrível. Estou perfeitamente calma, mas sinto uma sensação de foco me lavando suavemente… Tenho certeza de que nunca me senti assim antes.

Então ela disparou uma flecha.

*Fwthoooom!*

O som era diferente de qualquer flecha normal que eu já tinha ouvido. Com certeza, atingiu o centro do alvo, deixando rachaduras e fissuras onde atingiu. O poder por trás dessa flecha seria impossível para qualquer flecha normal.

— Droga… Parece que uma flechada seria suficiente para matar uma pessoa… — Tal poder era mais assustador do que incrível.

— Eu também não entendo totalmente… — Laviala disse.

— Com Arqueira, é dito que se você tiver o foco e a técnica, às vezes a magia do seu corpo é adicionada à flecha e o dano é triplicado… Isso só acontece com os melhores Arqueiros, então eu nunca vi isso antes, ou… — Até o sacerdote estava abalado.

Laviala já era uma arqueira de primeira linha e, com a ajuda de sua profissão, estava se aproximando do status divino.

— Vou tentar um pouco mais. — Laviala atirou em um alvo diferente desta vez.

*Fwbaaaaaam!*

Assim que a flecha o atingiu, o alvo explodiu em pedacinhos.

— Uau, é como se você tivesse usado um feitiço de explosão! — Exclamei. Obviamente, havia mais força nessa flechada do que uma flecha comum poderia produzir.

— Nunca usei magia de ataque, mas tive a mesma sensação de quando uso feitiços de cura… suponho que tinha magia… — Seus ombros arqueavam um pouco enquanto respirava, talvez ela tenha se esforçado demais. Ainda assim, seu poder era quase obsceno.

Laviala treinou com arco e flecha desde a infância e, como esperou para receber sua profissão, teve que aperfeiçoar suas habilidades o suficiente para lutar na batalha sem qualquer bônus. Como resultado, o impulso repentino a tornou muito mais forte.

— Laviala, isso é incrível! Você será temida no campo de batalha agora!

— Sim senhor. Vou continuar lutando ao seu lado e atirar em qualquer inimigo que cruzarmos!

Mesmo com o sacerdote lá, acariciei a cabeça de Laviala. Posso ter encontrado a melhor atiradora do mundo.

— Estou feliz por ter conseguido uma profissão tão incrível.

— Você é forte o suficiente agora para liderar todos os elfos e meio-elfos no domínio. Não se preocupe. Você pode manter sua cabeça erguida ou até mesmo ser arrogante.

Agora tínhamos uma nova habilidade de luta útil também. Enquanto tratava dos negócios oficiais, não me esqueci da expansão territorial. Agora devemos ser capazes de esmagar os lordes perto de nós, cujos domínios eram próximos em tamanho, um por um.

— Precisamente. Primeiro você deve cuidar de seus inimigos perto de casa, um de cada vez.

Oda Nobunaga concordou, então eu não poderia estar errado. Seja o Rei Demônio ou o Rei Conquistador, eu seria rei.

— Laviala, pratique arco e flecha todos os dias. Você vai usá-lo de verdade em breve.

— Quer dizer…?

— Planejo ter o maior território que qualquer visconde de Nayvil já teve na história.

Reuni minhas tropas e avancei para o leste. O visconde de Nayvil (em outras palavras, eu, Alsrod Nayvil) controlava o condado de Nayvil, lar da capital do condado, Nayvil, e metade do Condado Hidge vizinho.

O resto do Condado Hidge e do Condado Kinaseh bem próximo a ele estavam sob controle do Visconde de Marle. Como sua capital ficava na região rural de Marle, ele adotou esse nome como seu nome. Houve tensões entre nossos clãs por gerações, já que os lordes vizinhos geralmente entravam em disputas territoriais. Teria sido estranho se tivéssemos relações amigáveis de longo prazo.

Então, eu iria eliminá-lo primeiro. Não importava que desculpa eu usasse para atacar, mas disse que era um insulto que ele não tivesse vindo prestar homenagem ao novo governante.

Fui com quatrocentos soldados. Eu poderia ter levado mais, mas esses eram realmente os melhores. Com esses números, os lordes vizinhos presumiriam que era apenas uma pequena briga entre os países vizinhos. (Não eram países pelo nome, mas, nesta época, todos os domínios eram tão independentes quanto os países.)

Nossas tropas se enfrentaram em uma planície na região de Marle, no Condado Hidge.

— Kivik e Laviala, vou dar a cada um cem homens. Vão e esmaguem nossos inimigos de uma vez. Isso não é suficiente para exigir meu envolvimento, ainda.

— Sim senhor! Comparado com os dias infernais no Forte Nagraad, isso aqui vai ser moleza!

— Vai ser um pouco solitário não estar ao seu lado… Mas vou destruir o inimigo e voltar logo!

Ambos estavam ansiosos por uma luta, e essa ansiedade acabou em bons resultados.

 

 

Momentos após o início da batalha, o general inimigo foi atingido por uma flecha que parecia ter saído do nada, deixando sua unidade em desordem. Era apenas uma flecha, mas o dano parecia mais como se o corpo do general tivesse sido perfurado por uma pedra gigantesca. Ele morreu instantaneamente.

Foi Laviala, obviamente, amplamente impulsionado por seu novo trabalho de Arqueira. Ela poderia atacar o inimigo em lugares que eles achavam que eram seguros. Ela conseguiu acertar seu general com uma flechada que nunca deveria ter acertado o alvo.

Os soldados inimigos tremeram, talvez pensando que tínhamos um raro Grande Mago em nossas fileiras, e tentaram fugir de nossos recrutas camponeses. Soldados sem comandante eram nada. A companhia de veteranos de Kivik avançou, tornando-se mais uma caça do que uma batalha. A maioria do inimigo estava priorizando a fuga em vez de lutar contra nós, não era exatamente uma luta.

— Meu arco está mais preciso do que nunca. — Com o inimigo quase todo derrotado, Laviala retornou.

— Eu sabia que era você. Te recompensarei mais tarde. Na verdade, darei a você todas as unidades de elfos e meio-elfos do domínio. E lhe concederei o posto de baronesa também. Ninguém vai ter nada a dizer sobre isso com a maneira como você luta.

Eu queria promover Laviala já tem tempos. Queria que ela se juntasse a mim nos escalões superiores.

— Obrigada, Lorde Alsrod!

— Agradeça depois da batalha, quando eu te recompensar. Agora use sua próxima chance nos homens do clã.

— Sim senhor!

Distribuindo recompensas aqui e ali, reunimos nossas tropas e capturamos todo o Condado Hidge. Pensando que isso seria uma pequena briga como sempre, o Visconde de Marle não havia preparado as defesas dos fortes do Condado Hidge contra nosso ataque. Assim, o inimigo não teve escolha a não ser abandonar o Condado Hidge e se retirar para sua base em Kinaseh.

Com vista para o rio em Kinaseh estava uma cidade mercantil chamada Maust. Seria um golpe mortal para o inimigo perder aquela área, então eles tomaram posição na planície à sua frente. Eles estavam claramente tentando impedir nossa invasão. O Visconde de Marle também apareceu, o moral teria diminuído se o governante não aparecesse.

No momento, tudo estava indo de acordo com o planejado. Capturar o castelo exigiria tempo, mas se lutássemos por ali, tudo estaria resolvido em um dia.

Eles haviam tomado uma formação de modo que seu lorde fosse colocado em uma colina baixa nas planícies.

Nem é preciso dizer, mas o lado com terreno elevado tem uma vantagem esmagadora na batalha. Ao lutar com arcos ou fundas, também, o lado que dispara para baixo ganha velocidade e, portanto, força.

Mesmo em nosso conselho de guerra, muitos hesitaram em um ataque total contra eles, por causa de todas as baixas que causaria. Essa era a reação natural. Mas por alguma razão, eu realmente senti meu coração batendo forte de excitação.

— Eles não esperam que vamos direto para eles morro acima. É exatamente por isso que ficarão desprevenidos.

— Então você tem um talento especial para isso. Você sabe quando uma oportunidade o encara de frente.

Oda Nobunaga ficou impressionado.

— Derrubei Imagawa Yoshimoto em um lugar não muito diferente deste. Naquela época, o inimigo provavelmente tinha baixado a guarda por causa da chuva, mas aqui você tem o poder de sua profissão para compensar isso.

Ele estava falando sobre meu bônus de trabalho. Com a profissão Oda Nobunaga, qualquer inimigo dentro do alcance da minha arma tinha suas habilidades reduzidas em 20%. Os inimigos se encolhem ao ver um conquistador.

Além disso, a habilidade especial Poder do Conquistador dobra todas as minhas habilidades durante a batalha. Francamente, enquanto não houvesse um mestre espadachim na frente de seu senhor, era impossível me impedir.

— Eu vou ir. — Declarei resolutamente.

Várias pessoas gritaram: “É muito arriscado!” “Por favor, meu senhor, não seja tão precipitado!”

Isso era exatamente o que eu precisava ouvir dos meus vassalos, eu teria ficado preocupado se eles tivessem me dito para simplesmente ir, sem restrições.

— Exatamente… é arriscado. E é por isso que o Visconde de Marle definitivamente não acha que irei. Ninguém deles tem coragem de me enfrentar. Não importa quantos sejam, se não tiverem vontade de lutar. A defesa estará crivada de buracos, tanto que seria um desperdício não atacar.

Quanto mais eu explicava, mais me convencia de que poderia vencer.

— Eles têm a vantagem do terreno. Mas isso significa apenas que, quando subirmos a colina, será uma batalha normal e ninguém terá a vantagem. Então ouçam: Eu preciso de alguém para usar seu escudo para me proteger da melhor maneira possível até eu chegar ao morro. Depois disso, eliminarei seu lorde. Tenho algum voluntário para ser meu escudeiro?

Laviala ergueu a mão imediatamente.

— Laviala, preciso que você me cubra de longe. Seu arco é inútil em combate corpo a corpo.

— Sim, senhor…

Ela parecia infeliz, mas eram os fatos.

— Deixe-me ser seu escudo!

Um homem ergueu a mão. Ele se voluntariou para ser meu oficial quando eu só tinha uma aldeia. Afinal, todos aqui eram do tipo aventureiro.

— Tudo bem, conto com a coragem de todos. Atacaremos à noite, quando eles não podem coordenar um ataque.

Para ser honesto, os riscos precisam ser razoavelmente justificados. Havia justificativas mais do que suficientes para esta guerra. Se eu pudesse eliminar o Visconde de Marle, um lorde vizinho com quase a mesma quantidade de território que eu, seria tão famoso que seria saudado como um herói. Eu ficaria muito mais famoso do que quando defendi o forte com um pequeno número de homens. Guerreiros fortes não seguirão um comandante em cuja força eles também não acreditam. Se eu demonstrasse ser o maior lorde de toda a Fordoneria, minha fama duraria por gerações.

Era por isso que eu precisava ter sucesso, não, eu teria sucesso. Meu objetivo era me tornar rei. Essa era a melhor maneira de fazer felizes não só eu, mas também Laviala e meu povo.

Este reino atualmente tinha muitos pequenos confrontos acontecendo quase todos os dias, porque os lordes independentes de fato foram divididos em incontáveis facções. Se eu expandisse meu território, disputas não aconteceriam mais na minha parte da terra. Eu iria estabelecer uma nação pacífica.

E assim, veio a noite.

Eu podia sentir no ar, o inimigo estava à vontade. O Visconde de Marle e seu clã não estavam em uma guerra real há muito tempo. E em uma guerra adequada, o lado que sofria uma derrota esmagadora enfrentava a ruína total, portanto, a menos que tivessem muita confiança na vitória, as pessoas tendiam a evitar a guerra por completo.

Em particular, havia muitos domínios de pequeno a médio porte a leste do meu território. Quase nenhum dos lordes controlava uma prefeitura como Mineria a oeste. Era por isso que todos eles evitaram uma guerra total e mal conseguiram proteger suas próprias terras. Muitos lordes seguiram uma espécie de acordo tácito: “Não vou atacá-lo com toda a minha força, então apenas fique aí.”

Mesmo com isso acontecendo, era apenas uma questão de tempo antes que os domínios menores fossem eliminados por uma força maior como Mineria. As regras só tinham significado quando havia poder para apoiá-las. Um único louva-a-deus tentando impor regras a uma grande vaca ainda não tinha chance sob seu casco.

— Começamos o plano agora. Rezo para que possamos nos encontrar novamente sorrindo pela manhã.

Minha unidade dirigiu-se ao topo da colina onde estava o lorde inimigo. Claro, como o inimigo tinha vigias, eles perceberam que estávamos lá e atiraram flechas em nossa direção, mas nossos soldados os bloquearam com seus escudos.

Gradualmente nos aproximamos deles. Quando estávamos perto, o inimigo mudou para espadas e lanças, tentando nos defender. Aparentemente, eles decidiram que não podiam nos afastar com flechas.

Por fim, a luta começou e rapidamente se transformou em um banho de sangue. Nossos inimigos tinham a vantagem do terreno, mas estavam tão confusos quanto surpresos com nosso ataque. E eles nos pegaram subindo a colina também. Agora, o lado que parecia estar no ataque estaria em vantagem psicológica.

A área perto de mim também foi envolvida pela confusão. Eu não estava longe de seu lorde agora.

— Pessoal, bom trabalho bloqueando suas flechas! Agora, preocupem-se em se proteger!

Saltei da parede de escudos e mergulhei com a espada na mão. De perto, as flechas eram inúteis devido ao risco de fogo amigo. Em uma luta de espadas, eu praticamente não perderia. Um por um, derrubei cada inimigo que tentava me atacar.

A maioria ainda não parecia perceber quem eu era. Já que me aproximei do lorde inimigo, pensei em gritar meu nome. O efeito sobre o moral amigável seria maior. Além disso, eu precisava estabelecer meu heroísmo.

— Escutem! Meu nome é Alsrod Nayvil, Visconde de Nayvil. Traga o Visconde de Marle! Vamos resolver isso em um duelo!

Quando os soldados inimigos, que estavam vacilando, perceberam que eu estava ali, seus olhos brilharam. Me matar seria uma grande façanha. Claro, eu não estava nem um pouco com medo; afinal, essa era minha decisão.

Eu estava calmo como sempre, algo que o outro lado não conseguia controlar sozinho. Só precisava me aproximar do meu objetivo, um inimigo de cada vez.

Quanto mais eles se esforçavam para me atacar, mais sua formação, protegendo seu líder, desmoronava. Já estava fácil romper.

Claro, havia outros atacantes do nosso lado além de mim, empurrando o inimigo para trás. Se pudéssemos chegar ao topo da colina, seria mais fácil, já que todos do nosso lado estavam lutando com todo o coração.

Continuei me separando de todos os que estavam entre mim e seu lorde. Contra mim, suas habilidades eram reduzidas automaticamente, graças ao bônus de Aquele que se Apodera do Poder. A menos que fossem muito mais habilidosos do que eu, não havia como vencer.

A grande maioria que me confrontou tinha olhares de pavor em seus rostos. Não era apenas um simples sentimento de terror, era mais como se estivessem testemunhando alguém de um calibre completamente diferente.

— Não, não sou nada como vocês!

Minha espada não era nada especial, mas isso dificilmente era um problema. Corto os inimigos na minha frente. Cortei, cortei e derrubei até que houvesse um grande buraco em suas defesas.

E, finalmente, perfurei o inimigo final antes de seu lorde. A visibilidade era boa graças ao luar e meus passos eram ágeis e rápidos. Minha respiração estava mais ou menos inalterada.

— Venha, Visconde de Marle! Vamos duelar!

Meu oponente era um homem de meia-idade de cerca de quarenta anos. Ele ficou apavorado apenas por olhar para mim.

— Como… você chegou até aqui?

— Foi muito fácil. Dificilmente alguém é um visconde como você. Sem ambição alguma, ele não conheceria uma oportunidade se ela o acertasse no rosto. Pelo menos Imagawa Yoshimoto lutou com tudo que tinha, pelo que ouvi.

Minha voz interior estava certa. Este homem não tinha intenção de lutar, para começo de conversa. Ele nem se importou em aumentar sua reputação me matando.

— Merda… eu tenho que fugir…

Inacreditavelmente, ele me deu as costas. Minhas expectativas eram baixas, mas não tão baixas. Nesse ponto, ele deveria ter abandonado inteiramente o título de visconde. Em minha descrença, levei um segundo para começar a persegui-lo.

Claro, isso não importa. Uma flecha o atingiu no pé e ele caiu imediatamente. A flecha era grande e havia penetrado até o solo, com o qual ele agora estava bem familiarizado.

— Eu sou o braço direito do Visconde de Nayvil, Laviala, olhos de águia! Isso é o que acontece quando atiro em covardes. Mesmo na escuridão da noite, nunca erro.

Eu podia ouvir a voz de Laviala de longe. Minha sempre confiável irmã de leite.

Vou demorar para terminar o trabalho.

— Desculpe, mas seu tempo acabou, pelas minhas mãos.

Cortei a cabeça do lorde inimigo com um único golpe por trás. Imediatamente peguei sua cabeça decepada, ele não deve ter muito respeito dos seus subordinados, pois ninguém veio salvá-lo.

— Eu tenho a cabeça do Visconde de Marle! É a nossa vitória, a vitória de Nayvil!

Os inimigos que ouviram meu grito, fugiram em pânico. Meus homens então atacaram por trás, cortando suas costas.

Exatamente como eu pensava, eles estavam tão acostumados a pequenas brigas que pareciam não ter nenhum plano para quando um inimigo os atacasse com força total. Pelo jeito, eu seria capaz de colocar todos os oponentes semelhantes sob meu controle também.

— Ah, isso me traz lembranças do meu auge.

Oda Nobunaga estava perdido em pensamentos sobre algo. Ele também deve ter sido imparável uma vez, fazendo sua oposição patética ficar de joelhos.

— Embora talvez você pudesse ter feito mais bonito, hein, Alsrod?

Bem, nós ganhamos, então não vou reclamar.

Com a queda de seu patriarca, o clã Marle entrou em disfunção e se rendeu sem sequer uma demonstração de resistência. Por enquanto, decidi dar a seu clã algumas terras e incorporá-los como vassalos. Se eu matasse até mesmo aqueles que admitiam a derrota, isso encorajaria outros lordes a resistir até o fim. Isso apenas atrasaria a unificação da prefeitura e, de outra forma, não levaria a nada.

Assim, consegui colocar os Condados Hidge e Kinaseh totalmente sob meu controle. Ao todo, seria três condados em meu domínio. Com isso, meu objetivo de ter o maior território da história do clã Nayvil foi facilmente realizado. Ainda assim, isso não significa que não havia mais nada a fazer.

Assegurei-me de que as notícias se espalhassem por todo o país de que eu sozinho ataquei as linhas inimigas e peguei a cabeça do Visconde de Marle. Não tem mal nenhum em fazer um nome para si mesmo. Além disso, se os guerreiros viessem querendo me servir, melhor. Eu preferiria assustar os lordes ao redor tanto, que eles se ofereceriam para se submeter a mim, mas mesmo se não oferecessem, eu mesmo iria eliminá-los. Às vezes, as pessoas apenas fingiam ser leais, então a repressão direta pela força era mais segura.

Ao retornar ao Castelo Nayvil, mais uma vez havia um número infinito de pessoas querendo me dar os parabéns. Por mais doloroso que fosse, não havia como escapar. Reservei um tempo para ver as pessoas quatro vezes naquele dia.

— Não admira que meus ombros estejam tão rígidos ultimamente… — Eu gemi.

— Bem, então, devo massagear você? — Laviala disse brincando.

— Claro, só não sopre minhas orelhas.

— Ei, mas você fez isso comigo antes. Você é tão egoísta.

Laviala brincou comigo por um tempo. Não estávamos mais no campo de batalha, ter um pouco de diversão não faria mal algum.

 


 

📃 Outras Informações 📃

Apoie a scan para que ela continue lançando conteúdo, comente, divulgue, acesse e leia as obras diretamente em nosso site.

 Quer dar uma forcinha para o site? Que tal acessar nosso Padrim :ZeroTwo8:

Padrim

Acessem nosso Discord, receberemos vocês de braços abertos.:kenislove:

 

 

%d blogueiros gostam disto: